Sítio Terra e Saúde
Sítio Terra e Saúde - Sua saúde brotando da terra.
Sítio Terra & Saúde Produtos Sem Agrotóxicos. Sua Saúde Brotando da Terra. Coord. Eng. Agrônomo Jefferson Steinberg

 
01/08/1999 - Comida orgânica já está no menu do brasileiro

A comida orgânica, moda que invadiu países como Inglaterra e Alemanha, começa a conquistar adeptos no Brasil. Em São Paulo, onde já existem feiras, serviços de entrega em domicílio e até restaurantes especializados, esse mercado cresceu 20 % o ano passado.


Ao contrário da alimentação vegetariana ou de outras correntes naturalistas, a culinária orgânica inclui tudo o que é consumido na alimentação convencional, do hambúrguer ao chocolate e até vinho. A diferença é que todos o ingredientes são cultivados, produzidos e processados sem o uso de agrotóxicos, produtos químicos para conservação ou alterações genéticas.


Os adeptos da comida orgânica acreditam que esses aditivos químicos causam, a longo prazo, danos ao organismo. Além disso, eles têm uma preocupação ecológica: temem o impacto de pesticidas e transgênicos (alimentos modificados pela biotecnologia) no meio ambiente. Eles também defendem os animais e se recusam a comer carne de frango e de gado confinados, à base de ração.


Os defensores da comida orgânica garantem que ela é mais saborosa e nutritiva. Pelo menos no caso do ovo isso é verdade.


Uma análise comparativa, realizada pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP (Universidade de São Paulo) revelou que os ovos de galinhas criadas soltas são quatro vezes mais ricos em vitamina A que os ovos de galinha de granja. “As galinhas soltas se alimentam de folhas e gramíneas, fontes dessa vitamina”, diz a nutricionista Marilene Penteado, que conduziu o estudo.


Quanto aos vegetais e às frutas, a nutricionista diz que não é possível afirmar com certeza que os orgânicos são mais nutritivos que os convencionais.
O assunto tem causado muita polêmica.


Não há estudos conclusivos sobre os efeitos de todos os aditivos químicos no organismo a longo prazo ou sobre os benefícios reais da comida orgânica.


Especialista em nutrição e toxicologistas concordam que o ideal seria que toda comida fosse livre de produtos potencialmente tóxicos, mas dizem que seria impossível produzir alimentos pra toda a população pelo sistema orgânico. Eles garantem que, se usados de forma adequada e controlada, os agrotóxicos não oferecem riscos à saúde.


“Qualquer substância pode ser nociva. O que faz a toxicidade é a dose. O problema é que, no Brasil, é difícil ter essa certeza”, diz a toxicologista Elizabeth Nascimento, professora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP.


E as denúncias de abuso no uso de agrotóxicos no país não são poucas. Documentos da FAO (Organização da Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) aponta o Brasil como um dos países que mais exageram na aplicação de pesticidas.


No final do ano passado, por exemplo, o Instituto Biológico, ligado à Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo, analisou 35 amostras de morangos e encontrou resíduos de pesticidas em 83 % do lote.


Dependendo da dose ingerida, há riscos para o consumidor. “Praguicidas em excesso podem causar diarréia, intoxicação alimentar e até mesmo problemas neurológicos”, diz Nascimento.


Entre os alimentos com mais chances de apresentar resíduos estão o morango, a uva, a laranja, o tomate e a batata, segundo o professor de fitopatologia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da USP, Hasime Tokeshi.


Selos identificam os produtos


Para que o consumidor não leve gato por lebre, algumas associações de produtores de alimentos orgânicos criaram selos de qualidade que identificam o produto.


Em São Paulo, a AAO (Assossiação de Agricultura Orgânica) criou um selo há três anos. Os produtos que levam o nome da instituição podem ser encontrados em feiras especializadas e em algumas redes de supermercados. Há ofertas de verduras, frutas, cereais, sucos, laticínios e pães.


Para receber o selo da AAO, o produtor tem de oferecer alimentos produzidos sem agrotóxicos, adubos químicos e conservantes. Os cerca de 280 produtores credenciados são orientados e inspecionados a cada quatro meses.


Mas, além disso, a Associação leva em conta as condições de preservação ambiental.


Contaminação de água ou queimadas, por exemplo, podem desqualificar um Produtor.


A instituição verifica também se há, entre os trabalhadores, mão de obra infantil.


Carne e leite podem conter resíduos


Além dos vegetais, a carne, o frango e o leite podem apresentar resíduos de agrotóxicos e aditivos químicos, como medicamentos.


Segundo toxicologistas, os principais contaminantes são antibióticos e agentes anabolizantes no caso do frango e da carne, e inseticidas e antibióticos no leite.


Segundo a toxicologista Elisabeth Nascimento, da USP, muitos produtores fazem o uso desses produtos e abatem o animal sem respeitar os prazos de carência para que sejam degradados.


Antibióticos administrados em animais doentes podem acabar no organismo do consumidor. “O organismo humano pode adquirir resistência ao medicamento”, alerta a toxicologista.


O leite pode conter também resíduos de piretróides (inseticidas usados para combater carrapatos e berne no gado).


Segundo os especialistas, os piretróides podem provocar irritabilidade, insônia, garganta seca e quadros gripais. Segundo ElisaBeth, “os piretróides provocam alergia em 10 % da população”;


Psicóloga não aceita comida convencional


A psicóloga Rosemary Paupério Georgetti adotou a alimentação orgânica a cerca de cinco anos. Hoje, quando não encontra um determinado produto, prefere não comê-lo a optar pelo alimento convencional.


“Me recuso a comer uma comida impregnada de agrotóxicos. Além disso, hoje sou capaz de notar a diferença no sabor”, diz ela.


Rosemary gasta cerca de R$ 70 por semana com produtos orgânicos que são entregues em sua casa por uma empresa especializada(leia-se Sítio Terra & Saúde). (Dª Rose é nossa cliente a mais de 10 anos)


Ela diz que atualmente a oferta de produtos cresceu e consegue produzir um cardápio variado. “Há frango, massas, arroz, creme de leite e até morangos, fruta que eu não comia havia anos devido aos pesticidas.”


Guia dos alimentos orgânicos


O que é comida orgânica?


É todo alimento cultivado, produzido e processado sem o uso de agrotóxicos, fertilizantes artificiais, modificações genéticas (transgênicos) e conservantes químicos. A lista vai de frutas e legumes a pães, geléias, queijos, vinhos e carnes.


Por que os vegetais orgânicos em geral são menos, mais “feios” e mais caros?


Como não são usados pesticidas, os vegetais podem ser atacados por insetos. É comum as folhas terem furos e larvas. Os agrônomos especializados em orgânico afirmam que os produtos têm o tamanho normal, e que os vegetais convencionais são maiores devido aos aditivos. Quanto ao preço, os produtores dizem que não recebem financiamento bancário para a produção. Além disso, o sistema de distribuição dos produtos ainda é precário.


Quem são os adeptos da alimentação orgânica?


Além de consumidores que buscam alimentos mais saudáveis, há ambientalistas  -que temem os efeitos dos agrotóxicos no meio ambiente -, defensores dos animais – gado e frango orgânicos são criados com o máximo de liberdade possível -, além de defensores dos direitos humanos – fazendas de produção orgânica não usam mão de obra infantil ou escrava.


Como saber se o produto é orgânico?


No Brasil já existem empresas e associações que certificam os produtos orgânicos. Em São Paulo, por exemplo, há alimentos com o selo da AAO (Associação de Agricultura Orgânica) e do IBD (Instituto de Biodinâmica).


Alimento integral é o mesmo que orgânico?


Não. Nem todo alimento integral é produzido de maneira orgânica. O arroz integral, por exemplo, muitas vezes é cultivado com o uso de agrotóxicos.


Como reduzir os resíduos  de agrotóxicos dos alimentos convencionais?


1. Lave frutas e vegetais em água corrente.


2. Use uma escova para esfregar legumes e frutas que serão comidos com casca. O mesmo deve ser feito com laranjas usadas para fazer suco.


3. Retire as folhas externas dos maços de verduras, que em geral concentram mais pesticidas.


4. Deixe todos os vegetais mergulhados em uma solução de água com vinagre (use quatro colheres de sopa para cada litro de água) por 20 minutos.


Onde comprar em São Paulo
[...]
Entrega em casa:
- Sítio Terra e Saúde: tel. 0/xx/3871-5558


Folha de São Paulo


3.º caderno


NOV/2006

Visualizado 7272 vez(es).
 
indicar a amigo
Outras matérias:

06/03/2008: Do Sítio para a mesa

24/11/2007: Vitrine- Alimentos Orgânicos ganham adeptos

29/03/2007: Revista Trip n° 153 - março 2007

29/01/2006: A Horta em Pronta Entrega

28/12/2005: Produção voltada para as festas

25/10/2005: Da roça para a mesa

01/09/2005: Alimentos orgânicos: a moda que pegou!

01/05/2005: Mais saúde à mesa - Revista Sítio & Cia.

01/04/2004: COMO MONTAR MINHA HORTA

01/07/2002: Menos química Mais Saúde

01/05/2002: Aposte nos orgânicos

03/04/2002: ... na mesa do consumidor brasileiro

01/04/2002: Orgânicos delivery

01/01/2002: Produtos orgânicos: alimentação com mais qualidade

29/11/2000: Vitória natureba - REVISTA ISTO É

01/08/2000: Os orgânicos chegaram!

03/07/2000: A vez dos produtos orgânicos livres de agrotóxicos

01/04/2000: A redescoberta da Alimentação Orgânica

27/12/1998: As encomendas podem ser feitas por telefone

28/09/1997: Legumes e verduras naturais

01/11/1991: Os parceiros da natureza

01/07/1991: A vez da terra

06/05/1991: Verduras Saudáveis - REVISTA VEJA SÃO PAULO

19/03/1991: Feira em São Paulo vende produtos orgânicos

01/12/1990: Sítio Zurupaê Agricultura Orgânica

01/11/1990: Sítio Zurupaê Agricultura Orgânica-REVISTA CLÁUDIA

01/05/1990: A busca de alimentos mais saudáveis

01/05/1990: Compre SAÚDE na feira

01/05/1990: *...O natural que dá certo

01/05/1990: *A difícil arte de vender...

01/03/1989: Produzindo hortaliças com sabor natural

< página anterior próxima página > topo